Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9078
Título: Atenção Compartilhada e Interação Social: Análises de Trocas Sociais de Crianças com Diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em um Programa de Intervenção Precoce
Autor(es): CORREA, M. C. C. B.
Orientador: QUEIROZ, S. S.
Data do documento: 4-Set-2014
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CORREA, M. C. C. B., Atenção Compartilhada e Interação Social: Análises de Trocas Sociais de Crianças com Diagnóstico de Transtorno do Espectro Autista em um Programa de Intervenção Precoce
Resumo: O Transtorno do Espectro do Autismo é uma desordem do neurodesenvolvimento caracterizada por prejuízos na interação social e comunicação e pela presença de estereotipias e hiperssensibilidades. A atenção compartilhada (AC) é indicada como preditor do transtorno presente já no primeiro ano de vida da criança. Por atenção compartilhada compreende-se a habilidade para compartilhar atenção com um parceiro social, um objeto e um evento em uma relação triática. A relação interação social e atenção compartilhada ainda é objeto investigação. Apresentamos pesquisa que objetivou analisar o impacto da interação social na AC em um programa de intervenção precoce voltado a crianças com diagnóstico de TEA. Nossa investigação foi organizada em três partes: 1) análise do impacto do programa de intervenção precoce nos comportamentos de AC nas crianças envolvidas; 2) Análise das trocas sociais entre as crianças participantes e o experimentador ao longo dos seis meses de duração do programa de intervenção precoce: 3) Análise de trocas sociais entre crianças e suas mães, e pareamento dos resultados com características pessoas e sociais das cuidadoras. Desenvolvemos programa de intervenção precoce para 15 crianças com idade entre 32 a 42 meses e suas mães, acompanhadas em sessões semanais durante seis meses. Os resultados demonstram melhora nos padrões de AC em todas as crianças acompanhadas e no padrão de trocas sociais. Concluímos pela importância do reconhecimento da singularidade da criança com TEA, da necessidade de envolvimento familiar, com oferta de redes de apoio e cuidado que amparem a criança e seus pais em suas necessidades psicossociais.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9078
Aparece nas coleções:PPGP - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5099_Tese Monica Cola Cariello PDF.pdf2.4 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.