Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9088
Título: Saúde e Educação na Atenção Primária: Limites e Possibilidades das Relações Dialógicas entre Enfermeiros e Usuários
Autor(es): ANDRADE, L. D. F.
Orientador: ANDRADE, A. N.
Data do documento: 13-Jul-2012
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ANDRADE, L. D. F., Saúde e Educação na Atenção Primária: Limites e Possibilidades das Relações Dialógicas entre Enfermeiros e Usuários
Resumo: A estratégia geral da pesquisa consistiu em captar e analisar, à luz da fenomenologia hermenêutica-dialética, o fenômeno das relações entre enfermeiros e usuários durante as atividades de educação em saúde nas Estratégias Saúde da Família do município de Cuité, Paraíba, Brasil. Justifica-se a sua realização face à constatação de que o processo de educação em saúde, imprescindível nas Estratégias de Saúde da Família, pode ser emancipatório, adotando-se relações dialógicas que valorizem o encontro entre enfermeiros e usuários como um acontecimento em múltiplos sentidos/afetações que produzem e podem (ou não) gerar transformações, capazes de desvelar os temas limitantes ou potencializadores de autonomia para a expansão de vida dos sujeitos envolvidos. Através da pesquisa qualitativa, realizada com quatro enfermeiros e quatro usuários das Estratégias Saúde da Família do município de Cuité, envolvendo a utilização de roteiro de entrevistas respeitando os aspectos éticos, foi possível constatar que os profissionais da enfermagem desconhecem as abordagens pedagógicas utilizadas em suas práticas educativas no atendimento ao indivíduo, família e coletividade conduzindo este processo educacional a um predomínio da utilização de abordagens pedagógicas não emancipatórias, contrárias à proposta do SUS de expansão de vida e autonomia do indivíduo. O que pode ser atestado desta pesquisa é que as atividades educativas são exercidas com abordagens que favorecem mais a adoção de condutas pré-estabelecidas que a autonomia, revelando uma feição educacional com relações que tendem mais à dependência do que à libertação. Dentre os modelos de educação em saúde, o modelo dialógico proposto por Paulo Freire pode ser utilizado como base filosófica para formação de futuros profissionais da enfermagem em ambiente universitário e como estratégia para capacitação dos enfermeiros que atuam na assistência ao paciente.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9088
Aparece nas coleções:PPGP - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5762_.pdf2.15 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.