Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9102
Título: Autoconsciência corporal em estudantes de música: avaliação e intervenção
Autor(es): Subtil, Marina Medici Loureiro
Orientador: Souza, Mariane Lima de
Coorientador: Andrade, Alexsandro Luiz de
Palavras-chave: saúde do músico
cinestesia
fenomenologia
autoconsciência
Data do documento: 29-Ago-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Devido às suas demandas físicas, cognitivas e afetivas, a aprendizagem da execução musical talvez seja uma das mais complexas tarefas humanas, cujos limites ainda não somos capazes de apontar com riqueza de detalhes. Estudar um instrumento envolve uma experiência humana multifacetada e multidimensional, com repercussões diretas na saúde daquele que estuda. A saúde do músico tem sido uma temática investigada por diferentes áreas do conhecimento, cujo foco em comum são processos físicos e psicológicos da saúde e do adoecer dessa classe profissional. Entre os aspectos mais estudados da saúde de músicos, estão as lesões mais comuns e suas causas bem como as ferramentas de tratamento. A autoconsciência corporal aparece como uma variável transversal a todos esses aspectos. Considera-se como hipótese em estudos de diferentes áreas que indivíduos que apresentam melhor consciência e percepção do corpo tendem a sofrer menos com adoecimentos de ordem neuromusculoesquelética. Dessa forma, o objetivo geral da pesquisa é investigar a autoconsciência corporal em estudantes universitários de música e sua relação com a prevenção e/ou surgimento de lesões neuromusculoesqueléticas relacionadas à prática instrumental. A pesquisa teve caráter misto e foi conduzida em duas etapas. A primeira refere-se à criação e validação de um instrumento de avaliação da autoconsciência corporal e aspectos ergonômicos de estudantes de música, o Aergo-AutoConMusi. Participaram dessa fase da pesquisa 415 estudantes de cursos de licenciatura e bacharelado em música de diferentes universidades do Brasil, regularmente matriculados e de todos os períodos. A primeira fase resultou em dois estudos: o primeiro apresenta os resultados da avaliação geral da saúde ocupacional de estudantes de música e o segundo apresenta o processo de desenvolvimento e validação do instrumento. A fase de validação do Aergo-AutoConMusi resultou em três escalas: uma escala de autoconsciência corporal; uma escala de percepção da dor e por último uma escala de aspectos preventivos. Na segunda fase da pesquisa, realizou-se um ensaio clínico não controlado, com desenvolvimento e execução de um programa de intervenção através do conceito Pilates e aulas teóricas em saúde do músico. A intervenção ocorreu durante um semestre letivo, com 15 estudantes universitários de música de ambos os sexos, com idades variando de 19 a 44 anos (M=26) matriculados na disciplina optativa de saúde do músico. Os encontros foram semanais, com duração de três horas, e os estudantes foram agrupados em três por turma, de acordo com suas disponibilidades de horário. Os participantes foram avaliados quanto à sua autoconsciência corporal antes e após a intervenção, através do Aergo-AutoConMusi e de autorrelatos. O resultado da primeira etapa da pesquisa sugere que a saúde ocupacional dos músicos encontra-se alicerçada em torno de aspectos físicos, cognitivos e organizacionais e que o instrumento Aergo-AutoConMusi pode ser um importante auxílio em pesquisa, na avaliação e no acompanhamento de estratégias em saúde do músico por professores de música e profissionais de saúde que se interessem e lidem com a autoconsciência corporal nessa população. O resultado da segunda etapa dessa pesquisa evidencia indicadores de eficiência do programa de intervenção, através do incremento de aspectos físicos e comportamentais envolvidos com a autoconsciência corporal dos participantes. Discute-se como o entendimento do corpo e o treino específico de habilidades corporais e comportamentais em performance possibilitou nessa amostra, a redução das queixas dolorosas e a melhora dos aspectos (autopercepção da dor; aspectos ergonômicos do fazer musical) da autoconsciência corporal mensurados pelo instrumento. Propõe-se que a autoconsciência corporal em músicos foi alicerçada em três dimensões: a autoconsciência corporal e a percepção da dor; a autoconsciência corporal e os aspectos ergonômicos do fazer musical e a autoconsciência corporal e os aspectos preventivos em saúde do músico. Considera-se por fim, que a relação do corpo com a dor, a postura corporal em performance, os comportamentos de prevenção e cuidados em saúde, se aprimoram e se ajustam através de ensinamentos e vivências corporais específicas em saúde do músico, focadas nos aspectos que norteiam a autoconsciência corporal. Por se tratar de um fenômeno multifactorial, a autoconsciência corporal em músicos evidencia-se como campo exploratório e necessita da participação integrada de profissionais de saúde e professores de música a fim de contribuírem para o seu melhor entendimento e avaliação, bem como para a criação e implantação de programas que visem o seu aprimoramento nas diferentes atividades musicais.
Due to their physical, cognitive and affective demands, learning the musical performance is perhaps one of the most complex human tasks whose boundaries are not yet able to point out in great detail. Studying an instrument involves a multifaceted and multidimensional human experience, with direct impact on the health of that studying. The health of the musician has been a theme investigated by different areas of knowledge, pointing between them, their relationship to physical and psychological processes of health and illness of this professional class. Among the phenomena that make up the health of musicians, we study the most common injuries, the causes associated with the appearance of the lesions and the same treatment tools. Bodily self-awareness appears as a variable cross all these phenomena indicated. It is considered as hypothesis in studies of different areas that individuals with better awareness and perception of the body tend to suffer less from illnesses of neuromusculoskeletal order. Thus, the overall objective of the research is to investigate the body self in university music students and its relation to the prevention and/or appearance of neuromusculoskeletal injuries related to instrumental practice. The research had mixed character and was conducted in two stages. The first is related to the creation and validation of a qualitative evaluation tool for body selfawareness and ergonomic aspects of music students, the Aergo-AutoConMusi. 415 students from undergraduate and bachelor's degree in music from different universities of Brazil participated in this phase, enrolled in all periods. The first phase resulted in two studies: the first one shows the overall evaluation of the results of the Occupational Health music students and the second one presents the development process and instrument validation. The AergoAutoConMusi validation phase resulted in three scales: a range of body self-awareness; a perception of pain scale and finally a scale preventive aspects. The second phase of the research is refered to the clinical trial uncontrolled, driven by an intervention through the Pilate’s concept and lectures on health musician. The intervention was made through the elective course health of musician, with 15 enrolled students of both sexes, aged 19-44 years, mean 26 years. The subject of the meetings were weekly, lasting three hours. Students were grouped in three per class, according to their schedule availability. The intervention phase showed qualitative and quantitative aspects of the implementation of course health of musician. The increase of some physical and behavioral aspects involved with body self-awareness can be observed both by applying the Aergo-AutoConMusi as the reports of the participants. The understanding of the body and specific training of body and behavioral skills in performance made possible in this thesis the reduction of pain complaints and the improvement in some aspects (pain perception, ergonomic aspects of music making) body self-awareness measured by the instrument. We conclude with the results of this thesis, that the body self-awareness in musicians can be based on three dimensions: body self-awareness and the perception of pain; body self-awareness and ergonomic aspects of music making and body self-awareness and preventive health components of the musician. The body's relationship to pain, body posture in performance, behavior of prevention and care in health, to improve and adjust through teaching and bodily experiences specific to the health of the musician, focused on aspects that guide the body self-awareness. For it is a multifactorial phenomenon, body self-awareness in musicians is evident as exploratory field and requires the health participation of different professionals who can contribute to their assessment and their understanding as well as the creation and implementation of programs aimed its improvement in different musical activities.
Debido a sus exigencias físicas, cognitivas y afectivas, el aprendizaje de la interpretación musical es quizás una de las tareas humanas más complejas cuyos límites aún no son capaces de señalar con gran detalle. El estudio de un instrumento implica una experiencia humana multifacético y multidimensional, con un impacto directo en la salud de ese estudio. La salud del músico ha sido un tema investigado por diferentes áreas del conocimiento, señalando entre ellos, su relación con los procesos físicos y psicológicos de la salud y la enfermedad de esta clase profesional. Entre los fenómenos que componen la salud de los músicos estudiamos las lesiones más comunes, las causas asociadas con la aparición de las lesiones y las mismas herramientas de tratamiento. Autoconciencia corporal aparece como una variable transversal a todos estos fenómenos indicados. Se considera como hipótesis de diferentes áreas que los individuos con una mayor conciencia y la percepción del cuerpo tienden a sufrir menos de enfermedades de orden neuroosteomuscular. Por lo tanto, el objetivo general de esta tesis es investigar la autoconciencia corporal en estudiantes universitarios de música y su relación con la prevención y/o surgimiento de lesiones musculoesqueléticos relacionadas con la práctica instrumental. La investigación tuvo carácter mixto y se llevó a cabo en dos etapas. La primera de ellas se refiere a la creación y validación de un instrumento de evaluación cualitativa conciencia de autoconciencia corporal y de los aspectos ergonómicos de estudiantes de música, Aergo-AutoConMusi. Participaron en esta fase de la investigación 415 estudiantes de música de diferentes universidades de Brasil, regularmente inscritos y de todos los períodos. La primera fase resultó en dos estudios: el primero presenta los resultados de la evaluación global de salud ocupacional de los estudiantes de música y el segundo presenta el proceso de desarrollo y validación del instrumento. La fase de validación Aergo-AutoConMusi dio lugar a tres escalas: una escala de autoconciencia corporal; una percepción de la escala de dolor y, finalmente, una escala de aspectos preventivos. La segunda fase de la investigación se refiere al ensayo clínico no controlado, conducido por una intervención a través del concepto de Pilates y clases teóricas sobre el la salud del músico. La intervención se realizó a través del curso electivo de salud del músico, con 15 estudiantes matriculados de ambos gêneros, con edades entre 19 y 44 años, con un promedio de 26 años. Las clases se realizaban semanalmente, con una duración de tres horas. Los estudiantes se organizaron en grupos de tres por curso, de acuerdo a su disponibilidad de horario. La fase de intervención mostró los aspectos cualitativos y cuantitativos de la aplicación de la disciplina de la salud del músico. El aumento de algunos aspectos físicos y comportamentales involucrados con la autoconciencia corporal se puede observar tanto a través la aplicación de Aergo-AutoConMusi, como por los informes de los participantes. La comprensión del cuerpo y el entrenamiento específico de habilidades corporales y comportamentales en el desempeño hizo posible en esta tesis la reducción de las quejas de dolor y la mejora en algunos aspectos (la autopercepción del dolor, aspectos ergonómicos del quehacer músical) de la autoconciencia corporal medidos por el instrumento. Concluimos con los resultados de esta tesis, que la autoconciencia corporal en los músicos se puede basar en tres dimensiones: autoconciencia corporal y la percepción del dolor; autoconsciencia corporal y los aspectos ergonómicos del quehacer músical y el autoconciencia corporal y los componentes preventivos de la salud del músico. La relación del cuerpo con el dolor, la postura corporal en el rendimiento, los comportamientos de la prevención y el cuidado de la salud, se ajustan a través de la enseñanza y las experiencias corporales específicas para mejorar la salud del músico, enfocadas en los aspectos que guían la autoconciencia corporal. Por tratarse de un fenómeno multifactorial, la autoconciencia corporal en los músicos se evidencia como un campo de exploración y requiere de la participación de diferentes profesionales de la salud para que puedan contribuir para su evaluación y su comprensión, así como la creación e implementación de programas dirigidos al mejoramiento en las diferentes actividades musicales.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9102
Aparece nas coleções:PPGP - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_6862_Tese Marina Depósito20161130-181315.pdf1.92 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.