Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9164
Título: Raízes do Brasil e Macunaíma: narrativas e ressonâncias em torno da identidade nacional
Autor(es): TELIS, R. F.
Orientador: ALMEIDA, J. C.
Data do documento: 6-Set-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: TELIS, R. F., Raízes do Brasil e Macunaíma: narrativas e ressonâncias em torno da identidade nacional
Resumo: Pretende-se abordar o conceito de cordialidade desenvolvido por Sérgio Buarque de Holanda, em Raízes do Brasil, em cotejo com a rapsódia Macunaíma, de Mário de Andrade. Para tanto, devemos considerar o período de produção das respectivas obras, escritas em um contexto em que se buscava uma representação de possíveis identidades do Brasil nas décadas de 1920 e 1930, na perspectiva do Modernismo. A cordialidade, tal qual expressa por Sérgio Buarque de Holanda, seria uma característica da nossa formação social, que era avessa aos ritualismos e primava pela afetividade. Tal característica não significava simplesmente bondade, mas apenas que o caráter nacional se contrapunha o mais possível à racionalidade moderna, prezando mais as ações que vinham do coração. A análise de nossa formação por Sérgio Buarque de Holanda privilegia os aspectos psicossociais, e, junto à cordialidade, destacam-se também o personalismo, patrimonialismo, aversão à moral do trabalho, falta de senso de hierarquia e de coesão social, além de falta de senso étnico. Essa percepção pode ser relacionada à rapsódia de Mário de Andrade, que destaca um personagem que preza uma ética de fundo emotivo, caracterizado por um espírito aventureiro, displicente, luxurioso e personalista. O Brasil da época de Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda vivia um momento de transição entre a mentalidade oligárquica e patriarcal e a exigência de uma atualização da Inteligência nacional. Nessa perspectiva, os autores em estudo fazem uma leitura da nossa nacionalidade em formação, criando uma representação daquilo que, em seus projetos, correspondia melhor a uma identidade nacional brasileira. Autores como Benedict Anderson, Homi Bhabha, Stuart Hall e Silviano Santiago fornecem uma perspectiva para indagar essas narrativas literárias e historiográficas como modos de narrar a nação, tensionada entre o rural e o urbano, o antigo e o moderno, a homogeneidade e a diferença.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9164
Aparece nas coleções:PPGL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10197_tese doutorado Letras Régis.pdf835.02 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.