Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9168
Título: O HABITUS DO LEITOR LITERÁRIO: o professor de Língua Portuguesa da rede estadual do Espírito Santo
Autor(es): SOUZA, R. F.
Orientador: RIBEIRO, A. M. M.
Data do documento: 30-Set-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: SOUZA, R. F., O HABITUS DO LEITOR LITERÁRIO: o professor de Língua Portuguesa da rede estadual do Espírito Santo
Resumo: Esta tese tem como sujeitos de pesquisa os professores de Língua Portuguesa que atuam no Ensino Médio da rede estadual do Espírito Santo e visa a problematizar sua relação com a literatura. Busca-se responder, na perspectiva do sociólogo Pierre Bourdieu, a questão: qual o habitus desse professor e a implicação em sua formação de leitor literário? O objetivo principal é investigar a história de contato do professor de Língua Portuguesa com a leitura literária e a construção da intimidade com o livro, sua real proximidade, o desenvolvimento do gosto como capital cultural e estratégia de distinção social entre forças que agem num campo social, a partir do conceito de habitus que revela, por sua vez, o processo de naturalização de condutas sociais que classificam, separando ou agregando indivíduos. A fim de se obter resultados com representatividade estatística, todos os professores da rede estadual com esse perfil foram abordados, abrangendo-se as 11 Superintendências Regionais de Educação. A pesquisa quantitativa de caráter exploratório, descritivo e explicativo fez uso, na coleta de dados, de um questionário com questões abertas e fechadas respondidas diretamente pelo docente por meio eletrônico. Na primeira parte do estudo, discutiu-se o papel social da leitura e a associação histórica entre incentivo literário e política de Estado. Além disso, é apresentada uma revisão bibliográfica a balizar a construção e análise do objeto de estudo. Os resultados do campo, na segunda parte da tese, expõem a delicada questão da relação do professor com o texto literário, se como uma fonte de fruição ou mera obrigação, as origens de uma atitude ou outra, o espaço da literatura na sociedade e as questões atinentes à condição social do sujeito que se forma professor hoje e que retrata um certo Brasil Leitor ao mesmo tempo em que impacta o projeto futuro de criação de um novo Brasil Leitor a sair dos bancos escolares. A amostra analisada num empenho multidisciplinar que entrecruza literatura, educação e sociologia permite concluir a presença do habitus na constituição do gosto literário do professor-leitor. Desse modo, tem-se hoje expressivo número de docentes provenientes de famílias com baixíssimos níveis de escolarização, tendo alcançado de forma geral apenas o 1º ciclo do Ensino Fundamental, convivido quando criança em lares em que a presença do livro e da leitura eram incipientes, contudo, entre percalços e esforços conquistaram sua formação acadêmica e profissional, ainda que enfrentando barreiras relevantes para a atividade de leitura e para a evolução na carreira. A partir dessa trajetória com imbricamentos na infância e na formação, tem-se professores-leitores com um repertório de leitura marcado profundamente por obras do cânone escolar, da literatura de autoajuda, por livros-eventos e best-seller e pela ausência quase completa de interesse pelo poema. Palavras-chave: Leitura literária. Habitus. Professor. Formação docente. Espírito Santo.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9168
Aparece nas coleções:PPGL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10293_Tese - Versão para banca.pdf11.74 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.