Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9194
Título: LITERATURA DE MIGRAÇÃO, UM ESPAÇO DE MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES VITÓRIA
Autor(es): BOINA, R. P. G.
Orientador: BENEDUZI, L. F.
Palavras-chave: Literatura de Migração
Diáspora
Múltiplas identidades
Bro
Data do documento: 14-Dez-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: BOINA, R. P. G., LITERATURA DE MIGRAÇÃO, UM ESPAÇO DE MEMÓRIAS E REPRESENTAÇÕES VITÓRIA
Resumo: Como objeto central desta pesquisa, está a abordagem da literatura produzida a partir de deslocamentos e que surge como resultado do esforço de autores nesta condição, em dar visibilidade às experiências da diáspora. Evidencia-se questões de identidades que se constroem em trânsito, o que confirma estudos de Stuart Hall (2006), quando este concebe a identidade como uma celebração móvel, fragmentada e não estável, bem como o fato de que movimentos diaspóricos estimulam o surgimento do terceiro espaço (BHABHA, 1998) ou do entre-lugar (SANTIAGO, 2000), espaços surgidos a partir da diferença e que servem de estímulo para produções artísticas, inclusive para a literatura. Tem como foco a literatura produzida nos Estados Unidos e escrita em língua inglesa, por duas autoras, uma, a haitiana Edwidge Danticat, com Brother, Im Dying, e a outra, Judith Ortiz Cofer, de origem porto-riquenha, com a obra Call me María, como forma de valorizar e incentivar a conquista de um espaço qualificado para este tipo de escrita. Cada uma destas autoras, ao decidir escrever sobre a experiência migratória de seu povo, foi motivada por vivências pessoais. A primeira, escreve a partir da trágica história de seu tio, desafiando concepções de justiça no interior de uma potência hegemônica. Enquanto que a segunda faz uma abordagem sobre a biculturalidade e o bilinguismo, o viver entre dois mundos, características inerentes aos sujeitos migrantes. Dessa forma, entende-se que colocar em evidência a literatura produzida no espaço surgido na fronteira e valorizar sua natureza polifônica contribui para a ruptura em processos de subalternização da cultura do outro.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9194
Aparece nas coleções:PPGL - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10499_Dissertação - Rosiane Pereira Gonçalves Boina.pdf1.97 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.