Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9206
Título: LITERATURA E ENSINO MÉDIO: a mediação do professor e das novas tecnologias no processo ensino-aprendizagem
Autor(es): COSTA, F. R. T.
Orientador: SOUZA, R. J.
Data do documento: 7-Abr-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: COSTA, F. R. T., LITERATURA E ENSINO MÉDIO: a mediação do professor e das novas tecnologias no processo ensino-aprendizagem
Resumo: O presente trabalho está ligado à linha de pesquisa Literatura e expressões de alteridade do Programa de Pós-graduação em Letras da UFES. Trata-se de um estudo a respeito do ensino de literatura em uma escola pública de Ensino Médio, da Rede Estadual de Ensino de Piúma, no estado do Espírito Santo. Ao considerar que o ensino de literatura baseia-se muitas vezes em estudar somente as escolas literárias através da memorização do contexto histórico, características e datas, deixando em segundo plano ou ignorando a leitura dos textos literários. Neste sentido, houve a necessidade de saber se na sala de aula ainda persiste essa visão de ensino ou se com uma gama maior de perspectivas, tais como as novas tecnologias, a visão do ensino literatura também se expandiu para uma dinâmica maior dos textos nas aulas. Para tanto, foi preciso observar a ação do professor em sala de aula, visto que, ao constatar que essas possibilidades vigentes de ensino requerem que o papel docente esteja focado não mais na abordagem tradicional de ensino, mas que se revele o mediador da aprendizagem. Levando em consideração que no processo de mediação não é só o professor que detém todo o conhecimento, foi importante buscar entre os alunos como é esse ensino de literatura para eles, bem como, saber se a tecnologia está inserida no processo de ensino-aprendizagem. Para se verificar a atuação docente como mediador, destacamos o pensamente de Vigotski quando aborda que qualquer signo pode fazer o papel de instrumento entre conhecimento e a quem ele será levado. Porém, nos aprofundamos nas abordagens em que o professor é o facilitador, aquele que instiga e que propõe o diálogo em sala de aula. Para a realização da pesquisa, consideramos uma análise qualitativa, através de um estudo de caso, em que um questionário foi aplicado aos alunos com perguntas pertinentes ao ensino de literatura e, a partir das respostas dadas pelos estudantes, começamos a observar a aula de literatura para, em seguida, relacionar os dois instrumentos de coleta de dados de forma que pudéssemos analisá-los a fim de gerar os resultados propostos nos objetivos dessa dissertação. Ao fazer tal procedimento, constatamos que mesmo com todos os obstáculos percorridos pelo docente na sala de aula ao ensinar a literatura, ele não prioriza somente a história desta e sua memorização, mas também aborda a leitura literária mesmo que, muitas vezes, em trechos existentes no livro didático e também, que o docente se utiliza das novas tecnologias oferecidas pela escola para tornar suas aulas mais atrativas e assim, poder estabelecer um diálogo possível entre os alunos e os conhecimentos que estão sendo adquiridos. Neste sentido, incorporando a função tal como sugeriu Vigotski, de professor mediador.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9206
Aparece nas coleções:PPGL - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10804_Dissertação Fabiani - Versão Banca.pdf2.81 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.