Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9215
Título: O cheiro sulfúrico do milênio em O mundo à solta de Felipe Fortuna.
Autor(es): CORDEIRO, L. S.
Orientador: Machado, L.
Data do documento: 26-Fev-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: CORDEIRO, L. S., O cheiro sulfúrico do milênio em O mundo à solta de Felipe Fortuna.
Resumo: Tendo como corpus de investigação o livro de poemas O mundo à solta, de Felipe Fortuna, o propósito do presente trabalho é empreender uma reflexão que procure mostrar como, por meio da função referencial da linguagem, o escritor carioca problematiza os mais diversos temas sociais que se desintegram antes mesmo de se solidificarem, revelando o odor acre do mundo, ou seja, o cheiro sulfúrico do milênio que exala da sua poética. Sendo assim, também analisaremos a sua lírica à luz dos ensinamentos de Michel Foucault sobre o panóptico tipo de penitenciária idealizada pelo filósofo e jurista inglês Jeremy Bentham e as relações de poder; de Zigmunt Bauman sobre o sinóptico mecanismo de poder pensado por Thomas Mathiesen e liquidez; de Karl Marx e Friedrich Engels, Max Weber e de Giorg Simmel sobre a reprodução das relações de dominação e sobre o capitalismo moderno, dentre outros. Tentaremos evidenciar como o poeta reflete sobre as complexas relações, as incertezas e as transformações pelas quais passa boa parte da humanidade, nas últimas décadas.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9215
Aparece nas coleções:PPGL - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11753_luzimara.pdf3.98 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.