Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9303
Título: O Pensamento Liberal na Primeira República no Brasil (1889 1930) e Seus Reflexos na Reconstrução da Sociedade Capixaba Pelo Viés da Educação
Autor(es): DUARTE, G. C.
Orientador: SIQUEIRA, M. P. S.
Palavras-chave: Liberalismo
Educação
Pensamento Liberal
Instrução Pública
Data do documento: 9-Dez-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: DUARTE, G. C., O Pensamento Liberal na Primeira República no Brasil (1889 1930) e Seus Reflexos na Reconstrução da Sociedade Capixaba Pelo Viés da Educação
Resumo: Nosso trabalho discute o pensamento liberal na Primeira República no Brasil (1889 1930), buscando identificar as ações implementadas pelo Governo Federal e pelos Presidentes do Espírito Santo no processo de reconstrução da sociedade por meio das reformas educacionais inspiradas por este pensamento, em âmbitos nacional e estadual. O período histórico que traça o recorte temporal de nosso estudo representa um momento de transição entre o Regime Monárquico e o Republicano no Brasil, e envolve disputas políticas e sociais em torno de direitos que começavam a se evidenciar com o novo regime. No âmbito das questões que se inserem em torno desta mudança, nos vemos diante de um novo modelo de Estado que enxerga, na educação do povo, uma estratégia para transformar o país. Evidenciava-se um conjunto de reformas federais e estaduais na educação que visavam ora a animar, ora a incentivar a educação primária e secundária, na direção da erradicação do analfabetismo no país, alternando momentos de centralização e descentralização das políticas educacionais. No Espírito Santo, uma nova mentalidade surge a partir de 1892, com Moniz Freire (1892 1896), posteriormente com Jerônymo Monteiro (1908 1912) e Aristeu Borges de Aguiar (1928 1930) objetivando reformar a educação do estado, buscando reduzir o número de analfabeto e levando instrução ao povo. Assim, criam-se escolas e introduzem-se novos métodos de ensino na capital e no interior do estado. Nesta pesquisa o procedimento metodológico priorizou o método histórico investigativo, com base analítica em abordagem qualitativa com uma pesquisa bibliográfica, fundamentada em obras gerais e específicas sobre o tema, e documental com pesquisa em fontes primárias que constituíram as bases que deram suporte técnico e teórico, conceitual e informativo na elaboração do trabalho. Dentre os resultados das ações realizadas pelas reformas educacionais no Estado, destacamos que essas reformas atuaram para incentivar a instrução na capital e no interior, mas não atingiram o ideário de uma formação educacional mais ampla, no sentido de expandi-la ao povo, limitando a expansão da instrução primária ao interior do estado e fixando a extensão do ensino secundário à capital, através da Escola Normal, das escolas a ela equiparadas, além do Gynnásio Espirito-Santense. O pensamento liberal de transformação da sociedade pela educação atingiu apenas resultados parciais, uma vez que se configurou uma educação primária para o povo e uma educação secundária para as elites do estado, residentes na capital ou que podiam encaminhar seus filhos para lá.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9303
Aparece nas coleções:PPGHIS - Teses de doutorado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5879_TESE GERSON REVISADO PARA IMPRESSÃO EM 3110.pdf2.04 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.