Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9321
Título: TURISMO EM GUARAPARI (ES): LÓGICAS DE USO E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO INCORPORANDO SIMBOLISMOS E IDENTIDADE CULTURAL
Autor(es): PIRES, M. R.
Orientador: FREIRE, A. L. O.
Palavras-chave: Turismo
Uso e Ocupação do Espaço
Cultura e Identidade Cult
Data do documento: 5-Ago-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: PIRES, M. R., TURISMO EM GUARAPARI (ES): LÓGICAS DE USO E OCUPAÇÃO DO ESPAÇO INCORPORANDO SIMBOLISMOS E IDENTIDADE CULTURAL
Resumo: Busca entender quais as lógicas e mecanismos de apropriação dos lugares pelo Estado e pelo capital para um fazer e um consumo turístico, bem como as contradições do turismo no município de Guarapari (ES) inerentes ao uso e ocupação desse espaço. Isto se coloca pertinente à elucidação das contradições do turismo em Guarapari, bem como dos conflitos socioespaciais existentes nos lugares onde a atividade se realiza, pois o litoral é destacadamente polarizador de investimentos públicos e privados, tendo o lazer e o turismo como atividades de atração e polarização de diversas mercadorias (empreendimentos, equipamentos e serviços). Assim, a excepcionalidade espacial consumida pelo turismo não ocorre em qualquer lugar, mas está associada à orla marítima tanto no plano simbólico como material. Atreve-se a dizer que o estudo tem por base as perspectivas fecundas do materialismo histórico para as análises do turismo e, para tal, como instrumentos que deram suporte ao estudo, utilizou-se a metodologia exploratória e a pesquisa empírica no município. Como observado, não são por causa as amenidades naturais, nem mesmo por serem estes palcos do viver e do trabalhar próximos às praias que os lugares litorâneos em Guarapari foram apropriados pelo turismo, mas porque esses lugares são propícios à extração de lucros pelo capital, para a reprodução das relações sociais. São lugares favoráveis para o consumo pautado sobre alguns fatos de cultura e de identidade cultural capixaba que foram alçados à categoria de mercadorias mais para garantir rendas monopolistas que quaisquer indícios de valorização cultural dos lugares. Na sociedade do consumo só há lugar para os negócios, produtos e serviços. Cria-se uma cultura e uma identidade cultural passíveis de serem postas à venda, reduzidas a algumas características facilmente perceptíveis que se tornam atrativos, produtos e serviços turísticos atrelados a porções do espaço selecionadas para serem de uso e consumo pelo turismo. Desse modo, espaço de complexidade entre trabalho e turismo (lazer), formalidade e informalidade, produção e consumo, cotidiano e efemeridade, reprodução do capital e manutenção da vida, o espaço litorâneo de Guarapari apresenta uma dada realidade de acordo com as conveniências e problemáticas que lhe são impostas. No jogo de interesses dos que só querem lucros, vender sua força de trabalho, morar no lugar e dos que vão à busca de lazer, há várias formas de conflitos, forças socioculturais e imposições que precisam ser desvelados e analisados.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9321
Aparece nas coleções:PPGGEO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10052_MARIANA RODRIGUES PIRES.pdf6.12 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.