Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9353
Título: O OURO OU A VIDA: Cultura anfíbia como resistência à Locomotora Mineira em Caucasia (Colômbia)
Autor(es): MARTIN, P. C. T. S.
Orientador: CICCARONE, C.
Data do documento: 13-Out-2015
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MARTIN, P. C. T. S., O OURO OU A VIDA: Cultura anfíbia como resistência à Locomotora Mineira em Caucasia (Colômbia)
Resumo: Este estudo de caso tem como objetivo analisar as formas diferenciadas de produção do território das denominadas comunidades anfíbias e das empresas extrativistas do ouro de aluvião no município de Caucasia (Colômbia), e os conflitos gerados pela terra e pela água. Busca ainda entender como as comunidades anfíbias tem se pensado social e politicamente por meio de comitês e organizações, para enfrentar os problemas que afetam seus modos de vida, desencadeado pelo modelo de desenvolvimento extrativista proposto e imposto pelo governo colombiano por meio do programa denominado Locomotoraminero-energética. As comunidades anfíbias, em particular, os pescadores que se autodenominam e reconhecem como homens anfíbios, tem modos de vida que dependem da sazonalidade, de ritmos e ciclos do clima assim como das aguas. Estabelecem formas de relações não capitalistas com a terra e com a água, uso coletivo da terra e de cultivos de pan coger, privilegiando o trabalho em grupo, sem hierarquias. As relações com a natureza envolvem os seres que habitam seus territórios tanto da terra firma, como da terra molhada e a água. Este modo de vida tem sido perturbado a partir do recorte sub-regional para a exploração e crescimento econômico estabelecido no estado de Antioquia, ao qual pertence Caucasia, e em general na Colômbia. No contexto do plano de desenvolvimento econômico nacional focado na exploração de recursos naturais como o ouro, o incremento da exploração do ouro de aluvião tem-se intensificado no município de Caucasia, aproveitando as facilidades governamentais que se dão para o licenciamento ambiental para as empresas, a escassa fiscalização administrativa, o desconhecimento do direito à consulta previa das comunidades atingidas. Para intensificar a implementação deste modelo de desenvolvimento, as empresas contam com a ajuda do Estado e da violência gerada por seus exércitos privados paramilitares, para o desalojamento forçado das comunidades, se apropriando de seus territórios. A continuidade das práticas de pesca e de cultivo constitui uma forma de resistência e persistência dos princípios que regulam seu modo de vida que contempla uma relação responsável com a água e com a terra, desencadeando tensões entre as diferentes percepções e gestões territoriais das comunidades e das empresas exploradoras do ouro de aluvião nos rios Cauca e Nechí em Caucasia (Antioquia). Recentes ações mobilizadoras das comunidades anfíbias por meio da organização social e política em comitês e associações de pescadores tem buscado juntar forças para lutar contra a destruição não só de seus meios de produção econômica, senão de seus modos de produção e reprodução social e cultural em seus próprios territórios.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9353
Aparece nas coleções:PPGGEO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_9443_paolacarolina.pdf3.33 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.