Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9382
Título: De repente, não mais que de repente, gramaticalizando...
Autor(es): COUTINHO, N. S. N.
Orientador: ROCHA, L. H. P.
Coorientador: PAIVA, M. C. A.
Data do documento: 12-Jul-2016
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: COUTINHO, N. S. N., De repente, não mais que de repente, gramaticalizando...
Resumo: Com enfoque nos Modelos Baseados no Uso, o presente trabalho tem como objetivo fazer a análise quantitativa e qualitativa da locução de repente no português falado, a fim de averiguar se a polissemia dessa construção pode ser explicada em termos de gramaticalização. Alguns trabalhos, como o de Siqueira (2012) e o de Pontes e Peterson (2009), já mostraram que de repente assume diferentes funções semânticas, dentre elas: advérbio de tempo e modalizador epistêmico. Nossa hipótese é a de que esses usos podem ser dispostos em uma escala de abstratização, pois são graduais e unidirecionais, indo do [+ concreto] para [+ abstrato] ou de [- subjetivo] para [+ subjetivo], o que seria uma indicação de que esta locução estaria passando por um processo de gramaticalização. Para verificar essa hipótese, analisamos a amostra de dois corpora orais: Amostra PortVix Português falado na cidade de Vitória (YACOVENCO et al., 2012) e Amostra Censo 2000 (PAIVA; DUARTE, 2003) do PEUL (Programa de Estudos sobre o Uso da Língua) Rio de Janeiro. Por meio da utilização do método da Sociolinguística Variacionista, os dados são quantificados de forma a identificar as propriedades mais recorrentes de cada um dos significados da locução de repente. Nosso estudo em tempo aparente apresentou o valor de modalizador epistêmico como o mais produtivo, sendo que um aspecto que ressalta da análise é o de que esse valor ocorre, principalmente, em contextos em que de repente é empregado como elemento de reforço do valor de possibilidade, coocorrendo com outros elementos modalizadores. A influência do contexto na função exercida pela locução caracteriza-se como um processo de metonímia, por meio da subjetivização (TRAUGOTT, 2010), recurso utilizado a fim de apresentar um distanciamento do falante em relação ao estado de coisas descrito.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9382
Aparece nas coleções:PPGEL - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10023_NASTASSIA SANTOS NEVES COUTINHO-DE REPENTE.pdf1.36 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.