Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9490
Título: Uso do penetrômetro dinâmico leve (PDL) para obtenção de parâmetros geotécnicos por meio de correlações com ensaios de campo e laboratório
Autor(es): Sarnáglia, Max Correia
Orientador: Pires, Patrício José Moreira
Data do documento: 23-Jun-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Criado com intuito de ser um equipamento simples e versátil, devido à velocidade de execução e à possibilidade de ser facilmente transportado, o Penetrômetro Dinâmico Leve (PDL) é um ensaio geotécnico de campo utilizado no exterior há vários anos e que vem timidamente ganhando espaço no cenário nacional brasileiro. No entanto, apesar de alguns trabalhos publicados, esse método de investigação carece de mais pesquisas, principalmente correlacionando-o a ensaios clássicos, em que se pretenda, além de consolidar seus conceitos, buscar maior confiabilidade na sua utilização. Assim, neste trabalho, com a contribuição de algumas empresas da Região Metropolitana da Grande Vitória, no Espírito Santo, foram realizados ensaios de laboratório e de campo com objetivo de confrontar o PDL com outros ensaios. Em laboratório, com amostras de solos moldadas em cilindros metálicos, foram realizados os ensaios PDL, Cone Penetration Test Adaptado (CPTAD), Califórnia Bearing Ratio (CBR) e cisalhamento direto em dois materiais com caraterísticas distintas, para que a resistência de ponta do ensaio PDL pudesse ser confrontada e correlacionada com a resistência de ponta do CPTAD, Índice de suporte Califórnia e ângulo de atrito. As análises desses resultados consideraram diferentes condições de umidade e densidade dos solos. Para o levantamento em campo, realizaram-se campanhas de ensaios em áreas experimentais com características de solo selecionadas, onde foram executados os ensaios PDL e Standard Penetration Test (SPT), com locação dos furos devidamente aproximados. Os resultados foram correlacionados por meio de equações obtidas de regressões estatísticas. Em laboratório, a resistência de ponta do PDL apresentou resultados similares ao ensaio CPTAD e uma correlação muito boa com o CBR. Quanto ao cisalhamento direto, a pesquisa limitou-se pelo pequeno número de amostras, porém, apresentou compatibilidade razoável entre o PDL e o ângulo de atrito. Já os resultados de campo do PDL e SPT apresentaram boa concordância em alguns casos e nem tão boa em outros.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9490
Aparece nas coleções:PPGEC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11421_Max Correia.pdf490.76 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.