Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9491
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorVieira, Geilma Lima-
dc.date.accessioned2018-08-01T23:58:54Z-
dc.date.available2018-08-01-
dc.date.available2018-08-01T23:58:54Z-
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/9491-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleAvaliação da umidade e da resistência superficial ao cisalhamento em argamassas de revestimento medida através do equipamento Vane Shear Testpor
dc.typemasterThesiseng
dc.subject.udc624-
dc.subject.br-rjbnResistência ao cisalhamentopor
dc.subject.br-rjbnArgamassapor
dcterms.abstractA utilização de argamassas de cimento Portland para a produção de revestimentos de tetos e paredes é uma realidade em obras civis no Brasil. Dentre as etapas de produção do revestimento argamassado, o acabamento superficial, conhecido popularmente como sarrafeamento, é tido como um procedimento empírico, onde o oficial pedreiro pressiona a superfície das argamassas com os dedos das mãos para definir em qual momento (resistência), após a aplicação da argamassa sob o substrato, deverá aplicar o cisalhamento com a régua niveladora. Este procedimento, por ser totalmente empírico, carece de um sistema de controle de qualidade para que falhas de execução e manifestações patológicas nesta etapa sejam menos recorrentes. Deste modo, este trabalho visa avaliar o comportamento da umidade das argamassas aplicadas no substrato, e a evolução da resistência das argamassas de revestimento no estado fresco tendo como base medidas superficiais de resistência ao cisalhamento com auxílio do aparelho Vane Shear Test, em que utilizou-se dois tipos de cimentos (CPII-Z-32 e CPIII-40-RS), dois tipos de substratos (bloco cerâmico e bloco de concreto), com e sem a aplicação de chapisco e dois traços comumente utilizados em obra, 1:1:6 e 1:2:9 (cimento:cal:areia). Os ensaios permitiram avaliar que a evolução da Resistência Superficial ao Cisalhamento (RSC) para blocos cerâmicos é de 4,45 vezes maior que o bloco de concreto. As argamassas produzidas com cimento CPII-Z-32 gera um crescimento de aproximadamente 30% maior quando comparada com argamassas produzidas com CPIII-40-RS. Já os substratos com chapisco e com traço 1:1:6 (cimento:cal:areia) geram um acréscimo de 15% na RSC quando comparados com a base não chapiscada e o traço 1:2:9 (cimento:cal:areia), respectivamente.por
dcterms.creatorVinco, Luís Gustavo Fiorese-
dcterms.formatTexteng
dcterms.issued2017-08-29-
dcterms.languageporpor
dcterms.subjectArgamassa de revestimentopor
dcterms.subjectResistência Superficial ao Cisalhamentopor
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Engenharia Civilpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.subject.cnpqEngenharia Civilpor
dc.publisher.courseMestrado em Engenharia Civilpor
dc.contributor.refereePires, Patrício José Moreira-
dc.contributor.refereeAraújo, Georgia Serafim-
Aparece nas coleções:PPGEC - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11447_Luis Gustavo.pdf448.26 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.