Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9524
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorSILVA, F. M.
dc.date.accessioned2018-08-01T23:59:21Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-01T23:59:21Z-
dc.identifier.citationRODRIGUES, S. B., GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE AMÁLGAMA ODONTOLÓGICO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTOpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/9524-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleGERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE AMÁLGAMA ODONTOLÓGICO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE NOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTOpor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberMARIA HELENA MIOTTO
dc.contributor.memberSILVA-FILHO, G.
dcterms.abstractOBJETIVO: Analisar como ocorre o gerenciamento dos resíduos de amálgama odontológico gerados na Atenção Primária à Saúde (APS) nos municípios do Estado do Espírito Santo, uma vez que um adequado gerenciamento destes resíduos tem se mostrado suficiente para o controle do impacto ambiental do mercúrio proveniente da atividade odontológica, além de verificar o cumprimento da legislação vigente. METODOLOGIA: Os dados foram coletados através de questionário estruturado, respondido por 30 coordenadores municipais de saúde bucal dos municípios do ES entre os meses de maio e agosto de 2016. A amostra foi composta aleatoriamente por municípios das 4 regiões administrativas de saúde e de diferentes portes populacionais. RESULTADOS: O amálgama é utilizado no serviço público em 93% dos municípios participantes, mas seu resíduo é gerado em 100% dos municípios. Em 96% dos municípios se realizam menos do que 30 restaurações/dia de amálgama. O armazenamento temporário deste resíduo é feito em recipiente específico, conforme prevê a legislação em 89,3% dos municípios. O descarte do resíduo proveniente do desgaste e remoção da restauração de amálgama ocorre através da cuspideira/sistema de esgoto em 100% dos municípios. O teor da RDC ANVISA 306/2004 é de desconhecimento de 30% dos coordenadores municipais de saúde bucal e o PGRSS está ausente em pelo menos 54% dos municípios. Somente 4 municípios (18%) informaram que o destino final do resíduo em questão é a recuperação, prevista na norma vigente, porém nenhum deles soube informar o nome da empresa que recupera este resíduo. Todos os municípios que usam o amálgama como material restaurador utilizam cápsulas pré-dosadas para seu preparo, sendo que estas têm sido descartadas incorretamente junto aos resíduos do grupo A em 57% dos municípios. CONCLUSÕES: O amálgama continua sendo utilizado na APS e seu resíduo é gerado nos municípios. O PGRSS no serviço odontológico ainda não é uma realidade. O gerenciamento do resíduo de amálgama atende parcialmente ao que está previsto na RDC 306/04, sendo que a destinação final tem se constituído no ponto mais frágil. A quantidade de resíduos de amálgama gerada na APS justifica a proposição de uma política estadual para seu adequado gerenciamento. O simples fato de o resíduo de amálgama ser composto por metais pesados (com destaque para o mercúrio) não configura risco significativo para a saúde humana e nem para o meio ambiente, desde que ocorra um gerenciamento adequado do seu resíduo, com ênfase no descarte.por
dcterms.creatorRODRIGUES, S. B.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2016-12-21
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Engenharia e Desenvolvimento Sustentávelpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado Engenharia e Desenvolvimento Sustentávelpor
Aparece nas coleções:PPGESA - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_10539_Simoni Barni.pdf1.26 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.