Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9898
Título: GIRAS DE PRETOS VELHOS EM UM TERREIRO DE UMBANDA: LUGARES E EVENTOS DE CONSTRUÇÃO DE MEMÓRIAS AFRO-BRASILEIRAS
Autor(es): NASCIMENTO, M. S.
Orientador: OLIVEIRA, O. M.
Data do documento: 17-Nov-2017
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: NASCIMENTO, M. S., GIRAS DE PRETOS VELHOS EM UM TERREIRO DE UMBANDA: LUGARES E EVENTOS DE CONSTRUÇÃO DE MEMÓRIAS AFRO-BRASILEIRAS
Resumo: RESUMO A presente pesquisa analisa as memórias de cambones relativas aos saberes e à crença nos poderes de cura das entidades Pretos Velhos. Para organizar o trabalho foi necessário entender o conceito de memória para um aprofundamento nos relatos das entidades enquanto pessoas que, no passado, viveram no Brasil como escravos e hoje são espíritos divinizados presentes em ritos, juntamente com pessoas no Grupo de Umbanda Aprendizes do Amor. A gira de Pretos Velhos remete às narrativas que sustentam o entendimento sobre o que foi a vida destes no cativeiro e, como médiuns, a partir da incorporação, atualizam os significados por meio de rituais religiosos. Durante a pesquisa foram feitas entrevistas e conversas informais com Pretos Velhos e cambones, além de entrevistas com o Pai de Santo e com o Pai Pequeno do terreiro. A partir da vivência durante as giras foi possível observar elementos característicos das entidades quando se trata de cultura, religião e a performance dos médiuns incorporados. Um fator observado durante a etnografia é o que diferencia os Pretos Velhos de entidades como os Caboclos, Exus e Pombas Giras na forma de tratamento durante as consultas. Entidades e consulentes demonstram uma ligação familiar na qual as entidades são tratadas como vovó, vovô, mãe e pai. Logo, os consulentes são chamados de filhos ou filhas fortalecendo laços entre os participantes do diálogo. Nas observações dos rituais percebe-se que em nenhum momento os guias demonstram o comportamento de escravizados. Eles transmitem seus saberes como forma de resgate de suas práticas ancestrais de cura trazidas a partir da diáspora africana. A constatação baseada nas experiências vividas durante as etnografias foi a devoção por parte dos frequentadores do terreiro pesquisado em relação aos Pretos Velhos e, em nenhum momento, a percepção de submissão por parte das entidades, o que demonstra a resistência dos escravizados no passado e, na contemporaneidade, a afirmação de sua senioridade. Palavras-chave: Memória, Rituais, Religião, Umbanda, Pretos Velhos.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9898
Aparece nas coleções:PPGCSO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11480_Dissertação última versão 20.12.2017-1.pdf5.06 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.