Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9899
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorOLIVEIRA, O. M.
dc.date.accessioned2018-08-02T00:15:12Z-
dc.date.available2018-08-01
dc.date.available2018-08-02T00:15:12Z-
dc.identifier.citationTRINDADE, L. R., Universitários Negros: Acesso ao Saber Escolar e o Processo de (re)construção da Identidadepor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/9899-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titleUniversitários Negros: Acesso ao Saber Escolar e o Processo de (re)construção da Identidadepor
dc.typemasterThesisen
dc.contributor.memberAMORIM, C. R.
dc.contributor.memberFORDE, G. H. A.
dc.contributor.memberSANTOS, S. P.
dcterms.abstractEste estudo, desenvolvido em perspectiva etnossociológica tem como objetivo principal analisar o processo de (re)construção da identidade de universitários que se autodeclaram negros, considerando as relações que se estabelecem com diferentes agentes a partir do ingresso na universidade. Para tal, foram realizados registros através de observações sistemáticas no universo institucional da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), nos campi de Goiabeiras e Maruípe. A entrevista do tipo relato de vida apresentou-se como caminho mais apropriado para esse estudo, a partir da qual buscamos analisar percursos sociais de 14 universitários autodeclarados como negros (as) e 6 universitários autodeclarados brancos. Os resultados provenientes deste estudo mostraram que a discussão do ser negro inicia-se de um determinado lugar. O tornar-se negro, portanto, é um processo pontual, na maioria das vezes, gerado por experiências marcantes de racismo. Esse processo não ocorre de forma idêntica para todos e vai acontecendo aos poucos. Cada um vai identificando-se de uma maneira diferente. Acontece, em geral, quando ingressaram na universidade, após novas experiências e relações com diferentes agentes. Também é nesse espaço que estes discentes começam rememorar o passado e perceber mais diretamente que suas vidas foram marcadas por experiências de racismo em diversos momentos. Sendo, a maior parte dos casos, vivenciada no período escolar. Os desafios, sobretudo, de ingresso e permanência na UFES, não estão ligados apenas a questões materiais e financeiras, mas também àquelas de ordem simbólica. Ao tomarem consciência dessas situações existentes, alguns estudantes tomam a identidade como fator importante de mobilização. Isso, coletivamente, através da inserção em organizações negras dentro da universidade e de forma autônoma. Os universitários autodeclarados brancos, por sua vez, reconhecem seus privilégios, que as práticas racistas ainda persistem dentro da UFES e na sociedade, bem como a importância das ações afirmativas nas universidades. Além disso, começaram a construir o debate sobre relações raciais e principalmente sobre cotas, após ingresso na universidade. Com base em tais constatações, percebi que os percursos sociais dos universitários autodeclarados negros se entrelaçam em diversos momentos de suas experiências e muitas dessas, são semelhantes.por
dcterms.creatorTRINDADE, L. R.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2018-02-22
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Ciências Sociaispor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado em Ciências Sociaispor
dc.contributor.advisor-coMONGIM, A. B.
Aparece nas coleções:PPGCSO - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_11678_Dissertaçao_ Luana Ribeiro da Trindade20180426-152955.pdf1.89 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.