Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9944
Título: Análise do nível de vulnerabilidade dos reservatórios de carbono em arbóreas funcionais de restinga e manguezal às variações do clima
Autor(es): Knupp, Karina Tiussi Batisti
Orientador: Cuzzuol, Geraldo Rogério Faustini
Data do documento: 8-Mar-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: As mudanças no clima vêm acontecendo rapidamente, com alterações em regimes térmicos e balanço hídrico, tornando-se uma ameaça em grande escala ao meio ambiente. Como as plantas irão responder a essas mudanças ainda é incerto, e existem poucas informações acerca das respostas quanto aos reservatórios de carbono às mudanças da temperatura e precipitação. Dessa forma, é importante identificar as possíveis vulnerabilidades das espécies funcionais da Mata Atlântica num cenário de mudanças climáticas. O objetivo deste estudo foi avaliar o nível de vulnerabilidade dos reservatórios de carbono em espécies arbóreas de restinga e manguezal, em relação às variações de temperatura e precipitação atmosférica em condições naturais. Foram coletadas amostras de folha e caule em três espécies funcionais da restinga Clusia hilariana, Ocotea notata e Protium icicariba e, do manguezal Avicennia schaueriana, Laguncularia racemosa e Rhizophora mangle. As coletas foram realizadas no outono de 2016 e no verão de 2017. Para avaliação da vulnerabilidade, dos reservatórios de carbono foram determinados os teores dos carboidratos não estruturais (amido, sacarose e carboidratos solúveis totais) e estruturais (celulose e hemicelulose), a lignina. As médias dos dados foram comparadas aplicando-se a análise de variância e posteriormente submetidas ao teste Tukey ao nível de 5 % (P < 0.05) de significância. Os ecossistemas responderam de forma distinta quanto aos reservatórios de carbono, frente às alterações do clima expostos. O manguezal apresentou alteração apenas no reservatório de carbono estrutural, a celulose. Enquanto que a restinga exibiu maior variação em seus reservatórios de carbono, amido, sacarose e celulose. Ambos em condições de maior precipitação e menor temperatura. A restinga, pode ser considerado com maior vulnerabilidade às mudanças atuais de temperatura e precipitação em que os ecossistemas vêm sendo submetidos. Palavras-chave: Mudanças climáticas reservatórios de carbono restinga manguezal vulnerabilidade
Changes in climate have been taking place with implications for thermal regimes and precipitation. How plants will respond to these changes is still uncertain. In particular carbon pools, which account for up to 80% of the structural mass of plants. It is interesting to investigate the vulnerability level of some species of the coastal formations of restinga and mangrove of the Mata Atlântica biome of Greater Vitória - ES in relation to the variations of the climate. Therefore, the carbon storages contents in leaf and drain (stem) organs of Clusia hilariana, Ocotea notata and Protium icicariba restinga, and Avicennia schaueriana, Laguncularia racemosa and Rhizophora mangle were evaluated in the autumn of 2016 and summer of 2017. Data were related to temperature and precipitation values. Non-structural carbohydrates (starch, sucrose and total soluble carbohydrates) and cell wall structural polymers (cellulose, hemicellulose and lignin) were determined. Data were submitted to analysis of variance and Tukey test at the 5 % level (P <0.05) of significance, when necessary. The summer showed more precipitation. In the autumn of 2016 the average temperature was 27 ° C and in the summer of 2017, 25 ° C. The species of the two coastal formations responded differently to climate variations. In the mangrove, the concentration of cellulose in stem and leaf varied, being higher in the summer. In the restinga, the concentration of cellulose and starch in stem and leaf was higher in the summer. Similarly, in the restinga, the non-structural sucrose carbohydrate from the leaf, was also higher in summer. The concentration of lignin in the restinga was higher in the autumn. The restinga, due to changes in the concentrations of its carbon storages to temperature and precipitation variations between autumn and summer, can be considered, with greater vulnerability to temperature and precipitation changes in which ecosystems are being submitted.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9944
Aparece nas coleções:PPGBV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_11813_Dissertação karinatiussi.doc_pdf.pdf3.35 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.