Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9967
Título: Respostas fisiológicas de goiabeira Paluma parasitada por Meloidogyne mayaguensis sob condições controladas e de campo
Autor(es): Wilka Messner da S.Bispo
Orientador: COSTA, A. F. S.
Coorientador: VENTURA, J. A.
Palavras-chave: Palavras-chave: goiaba
Psidium guajava L

nematóide
fluor
Data do documento: 5-Fev-2010
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: Wilka Messner da S.Bispo, Respostas fisiológicas de goiabeira Paluma parasitada por Meloidogyne mayaguensis sob condições controladas e de campo
Resumo: RESUMO No Espírito Santo, a fruticultura é uma atividade de grande expressão social e econômica, respondendo por grande parte da receita agrícola do Estado. Tendo em vista a importância deste segmento da economia, torna-se necessária a busca por uma maior diversificação das culturas e a cultura da goiabeira tem-se mostrado como uma alternativa bastante rentável, pois é uma fruta que apresenta grande potencial produtivo e de venda, o que torna relevante o conhecimento de suas características positivas e de suas limitações para que ocorra uma ampliação do mercado. Existem nas regiões produtoras da fruta, entretanto, problemas de natureza fitossanitária, capazes de afetar o desenvolvimento e a produtividade das áreas de cultivo. A susceptibilidade da goiabeira ao nematóide-das-galhas recebe destaque. Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do nematóide Meloidogyne mayaguensis (Sin.: M. enterolobii) sobre goiabeiras por meio da análise de cinética de emissão da fluorescência; teor de pigmentos fotossintéticos e crescimento, correlacionando as alterações morfológicas às alterações fisiológicas apresentadas pelas plantas submetidas às condições de campo e em casa de vegetação. Em campo, as plantas parasitadas apresentaram menor eficiência fotoquímica em comparação às plantas sadias. Tendência semelhante foi observada para os teores de pigmentos foliares, nos quais as plantas sadias apresentaram os maiores valores de clorofilas a e b e carotenóides, sendo cerca de 1,5 vezes o valor encontrado para as plantas sintomáticas. A deficiência no desempenho fotoquímico das plantas refletiu também na baixa capacidade produtiva das plantas parasitadas e na formação de frutos de menor calibre. As plantas sadias foram cerca de 2 vezes mais produtivas que as plantas assintomáticas e 6,5 vezes mais produtivas que as sintomáticas. No início do desenvolvimento vegetativo, não foram observadas alterações visuais na parte aérea das plantas parasitadas, tanto em relação às medidas de crescimento quanto nas leituras SPAD. Esse comportamento demonstra um dos grandes problemas enfrentados pelos viveiristas, que é a não observação dos sintomas da presença dos nematóides-das-galhas nas mudas, favorecendo o comércio de mudas infectadas e a disseminação do nematóide. Palavras-chave: goiaba, Psidium guajava L., nematóide, fluorescência da clorofila a, clorofilas, Meloidogyne enterolobii.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9967
Aparece nas coleções:PPGBV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3880_Wilka Messner da Silva Bispo.pdf1.13 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.