Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9969
Título: Avaliação dos efeitos alelopáticos e mutagênicos de formas extrativas de Passiflora edulis Sims por meio do bioensaio Allium cepa. Vitória
Autor(es): MOREIRA, S. A. C.
Orientador: BATITUCCI, M. C. P.
Palavras-chave: alavras-chaves: Alelopatia
mutagenicidade
P
edulis
Teste
Data do documento: 15-Dez-2009
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: MOREIRA, S. A. C., Avaliação dos efeitos alelopáticos e mutagênicos de formas extrativas de Passiflora edulis Sims por meio do bioensaio Allium cepa. Vitória
Resumo: RESUMO O ser humano desenvolveu a arte de utilizar as plantas para diversas finalidades, como instrumento terapêutico poderoso e alternativa de controle biológico. O teste de Allium cepa é uma eficiente ferramenta na identificação de substâncias danosas aos animais e vegetais. Dentre as espécies nativas que necessitam de estudos que esclareçam sobre seus potenciais medicinais e alelopáticos encontra-se Passiflora edulis (maracujá amarelo), largamente utilizada como fitoterápico no Brasil; além disso, produz inúmeras substâncias com potencial alelopático, porém sem estudos aprofundados. Assim, objetivou-se avaliar os efeitos alelopáticos e mutagênicos exercidos por quatro extratos foliares e dois infusos de P. edulis sobre sementes de A. cepa submetidas aos tratamentos contínuo e descontínuos agudo e crônico em meio contendo água destilada, três concentrações dos extratos (1, 2 e 5 mg/mL) ou três concentrações dos infusos (10, 50 e 100%). Houve um acentuado potencial alelopático para o extrato etanólico, cujas concentrações reduziram os índices de germinação e velocidade de germinação; para os extratos hexano e acetato de etila, os mesmos resultados só foram obtidos nas concentrações de 2 e 5 mg/mL e para o extrato diclorometano, apenas na maior concentração. Os infusos mesocárpico e foliar não alteraram a capacidade e o tempo de germinação. Quanto ao desenvolvimento radicular, nenhuma modificação foi relatada. O índice mitótico foi afetado em todas as concentrações dos extratos avaliados, na concentração de 100% do tratamento contínuo, todas as concentrações do tratamento descontínuo agudo e nas concentrações de 10 e 100% do tratamento descontínuo crônico do infuso mesocárpico. Efeitos aneugênicos foram observados somente na concentração de 1 mg/mL do extrato diclorometano e tratamento descontínuo crônico 100% do infuso foliar. Efeitos clastogênicos ocorreram apenas em 2 mg/mL do extrato acetato de etila no tratamento descontínuo agudo e 2 mg/mL do extrato etanólico no tratamento contínuo. As sementes tratadas por 72h com 1 e 2 mg/mL de acetato de etila sofreram crescimento anormal de suas raízes e não responderam à coloração. Houve aumento de células mortas e micronúcleos em todos os tratamentos descontínuos crônico. Os resultados obtidos indicam a profunda relação entre os efeitos alelopáticos e mutagênicos e reforçam a importância de estudar as espécies nativas. Para que haja maior seguridade no uso de P. edulis pelo homem, será necessária a realização de testes em animais. Palavras-chaves: Alelopatia, mutagenicidade, P. edulis, Teste de A. cepa. COSTALONGA,
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9969
Aparece nas coleções:PPGBV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_3882_Avaliação dos efeitos alelopáticos e mutagênicos de formas extrativas de P.edulis sobre A. cepa.pdf2.41 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.