Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9975
Título: IDENTIFICAÇÃO DE MECANISMOS RELACIONADOS À RESISTÊNCIA À FUSARIOSE DO ABACAXIZEIRO
Autor(es): ZORZAL, P. B.
Orientador: FERNANDES, P. M. B.
Palavras-chave: Palavras-chave: Fusariose
Abacaxizeiro
Mecanismos de resis
Data do documento: 12-Fev-2009
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ZORZAL, P. B., IDENTIFICAÇÃO DE MECANISMOS RELACIONADOS À RESISTÊNCIA À FUSARIOSE DO ABACAXIZEIRO
Resumo: RESUMO A fusariose do abacaxizeiro, causada pelo fungo Fusarium subglutinans f. sp. ananas (Sin.: F. guttiforme), é a doença de maior importância para a cultura do abacaxizeiro. O uso de cultivares resistentes tem sido descrito como o método mais eficiente para o controle da doença. A cultivar de abacaxi Vitória (cv. Vitória), selecionada pelo INCAPER, apresenta resistência à fusariose e características agronômicas semelhantes ou superiores àquelas apresentadas pelos cultivares Pérola e Smooth Cayenne tradicionalmente plantadas. Neste trabalho, objetivou-se determinar os fatores relacionados com a resistência à fusariose no abacaxizeiro cv. Vitória. Os mecanismos de defesa desta cultivar foram avaliados através de análises histológicas, bioquímicas e microbiológicas utilizando-se dois cultivares suscetíveis à fusariose (Pérola e Smooth Cayenne) como controle. Observou-se, após 48 horas de inoculação da cv. Vitória, que os tecidos apresentaram respostas mais rápidas e eficazes de espessamento de parede e produção de camada de células suberificadas comparado com as cv. Pérola e Smooth Cayenne. A análise histoquímica revelou um padrão de distribuição tecidual dos compostos analisados semelhante entre as três cultivares avaliadas em diferentes tratamentos (constitutivamente, imediatamente após a inoculação com fungo e 48 h após a inoculação). Por outro lado, as cultivares apresentaram diferenças na intensidade de coloração indicativa da presença de compostos fenólicos totais e ligados, sendo que a cv. Vitória apresentou-se mais fortemente corada. Este dado foi confirmado através da dosagem de fenóis ligados à parede celular, em que a cv. Vitória apresentou valores mais elevados (1,63 μg de fenol/mg de folha) quando comparados com a cv. Smooth Cayenne (1,26 μg de fenol/mg de folha) e cv. Pérola (0,26 μg de fenol/mg de folha). Ao contrário disto, o teor de fenóis livres foi mais elevado para a cv. Smooth Cayenne. A dosagem do conteúdo de proteínas totais revelou uma maior concentração de proteínas nas folhas da cv. Vitória comparada com as outras duas cultivares. O extrato destas proteínas foi avaliado quanto a sua atividade antifúngica, revelando uma maior capacidade inibitória contra F. subglutinans f. sp. ananas quando o extrato da cv. Vitória foi utilizado. A cv. Vitória apresentou também mecanismos de espessamento de parede das células mais eficientes após injúria mecânica, comparado com as cultivares controle submetidas aos mesmos tratamentos. Os resultados apresentados sugerem que o cv. Vitória apresenta um mecanismo de resistência baseado no espessamento e lignificação da parede celular envolvendo a atuação de proteínas e compostos fenólicos.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9975
Aparece nas coleções:PPGBV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_4390_Elementos textuais.pdf18.37 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.