Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9990
Título: RESPOSTAS FISIOLOGICAS DO MARACUJAZEIRO (PLASSIFLORA EDULIS SIMS) AO ALAGAMENTO
Autor(es): ROSSI, M. S.
Orientador: SILVA, D. M.
Coorientador: FALQUETO, A. R.
Palavras-chave: fotossintese
Data do documento: 21-Fev-2011
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Citação: ROSSI, M. S., RESPOSTAS FISIOLOGICAS DO MARACUJAZEIRO (PLASSIFLORA EDULIS SIMS) AO ALAGAMENTO
Resumo: Resumo - O Estado do Espírito Santo possui condições edafoclimáticas propícias para a cultura do maracujazeiro, porém, as médias pluviométricas não se apresentam constantes, ocasionando grandes períodos de estiagem e períodos de chuvas torrenciais. Portanto, avaliar as respostas fisiológicas de plantas do maracujazeiro (Passiflora edulis Sims), cultivares FB 200 e FB 300 submetidas ao estresse hídrico por alagamento do solo é o principal caminho a ser seguido para identificar e caracterizar os efeitos da duração do estresse e selecionar materiais genéticos com alto grau de tolerância. Plantas do maracujazeiro foram cultivadas em casa de vegetação e mantidas em solo bem drenado até o início dos tratamentos. Foram empregados três tratamentos experimentais: 1. Plantas não alagadas; 2. Plantas alagadas por três dias e 3. Plantas alagadas por sete dias. Em todos os tratamentos as plantas tiveram um período de recuperação (com drenagem no solo) de sete dias. O alagamento ocasionou decréscimo do potencial hídrico, da condutância estomática e da taxa de assimilação líquida de CO2 nas duas cultivares, no decorrer do alagamento. Já a razão entre a concentração interna e ambiente de CO2 aumentou a partir do quinto dia de alagamento nas duas cultivares devido ao aumento do carbono interno. As fases O-J, e J-I da curva OJIP, apresentaram maiores alterações no decorrer do alagamento indicando a redução do lado aceptor do FSII (QA e QB) e a progressiva redução do pool de plastoquinona, respectivamente. O estresse por alagamento resultou também em uma diminuição da conectividade das unidades do FSII (com bandas L positivas) e inativação do complexo de evolução do oxigênio (Banda K). A atividade da catalase e da peroxidase aumentaram significativamente na cultivar FB200 no decorrer do estresse. Após sete dias de recuperação as cultivares recuperam a atividade fotossintética quando submetidas a curtos períodos de alagamento (três dias). Entretanto, quando o período de alagamento foi prolongado (sete dias) o estresse torna-se mais severo a ponto de não ocorrer recuperação da atividade fotossintética. Palavras-chave: fotossíntese, fluorescência da clorofila a, enzimas antioxidantes, maracujá.
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/9990
Aparece nas coleções:PPGBV - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_5186_DISSERTAÇÃO MAGDA.pdf1 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.