Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/11050
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorGONCALVES, R. F.
dc.date.accessioned2019-04-18T02:13:41Z-
dc.date.available2019-04-17
dc.date.available2019-04-18T02:13:41Z-
dc.identifier.citationMEMELLI, M. S., PRODUÇÃO DE ESTRUVITA (MgNH4PO4.6H2O) A PARTIR DA URINA HUMANA ATRAVÉS DE PRECIPITAÇÃO INDUZIDA POR ÍONS DE MAGNÉSIOpor
dc.identifier.urihttp://repositorio.ufes.br/handle/10/11050-
dc.publisherUniversidade Federal do Espírito Santopor
dc.titlePRODUÇÃO DE ESTRUVITA (MgNH4PO4.6H2O) A PARTIR DA URINA HUMANA ATRAVÉS DE PRECIPITAÇÃO INDUZIDA POR ÍONS DE MAGNÉSIOpor
dc.typemasterThesisen
dcterms.abstractO processo físico-químico da precipitação de estruvita é uma técnica que apresenta elevado potencial na remoção de nutrientes, a partir de diferentes tipologias de efluentes. O presente estudo teve por objetivo a avaliação da produção de estruvita (MgNH4PO4.6H2O) a partir da urina humana através de precipitação induzida por íons de magnésio para uso como fertilizante alternativo na agricultura, comparando dois compostos comerciais com elevado teor de magnésio (MgO e MgCl2) e um composto alternativo de baixo custo, salmoura marinha, como fonte reagente alternativa de magnésio. O experimento foi realizado em escala laboratorial utilizando Jar Test. Foram realizados ensaios variando a concentração de magnésio, velocidade de rotação e tempo de agitação, buscando as melhores condições de precipitação. A urina humana armazenada apresentou concentrações de fósforo e nitrogênio de 0,7 e 5,6 g/L, respectivamente. A precipitação contou com monitoramento do pH (9,2-9,7) e temperatura (21 25,7°C), atingiu considerável remoção de fósforo de 98,9%. Constatou-se qualidade dos cristais gerados, com a identificação do mineral de interesse estruvita utilizando-se a difração de raio-X. Os ensaios com melhores resultados foram de concentração de 0,45 gMg/L, 100 rpm, 10 minutos de agitação e adição de MgO. Os sólidos recuperados apresentaram pureza de 77% (MgO), 60% (Salmoura) e 52% (MgCl2) de estruvita. A salmoura apresentou o custo mais baixo, de R$ 13,96 por quilograma de estruvita.por
dcterms.creatorMEMELLI, M. S.
dcterms.formatapplication/pdfpor
dcterms.issued2019-02-26
dc.publisher.countryBRpor
dc.publisher.programPrograma de Pós-Graduação em Engenharia e Desenvolvimento Sustentávelpor
dc.publisher.initialsUFESpor
dc.publisher.courseMestrado Engenharia e Desenvolvimento Sustentávelpor
dc.contributor.refereeCOSTA, A. N.
dc.contributor.refereeCAMPOS, R. H.
Aparece nas coleções:PPGESA - Dissertações de mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tese_12998_DISSERTAÇÃO_Marina Memelli - REV 02 (2)-convertido.pdf1.73 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.