Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7813
Título: Influência de infecções uterinas e mastite nos índices reprodutivos de vacas leiteiras cruzadas GIR X Holandês no periparto
Título(s) alternativo(s): Influence of uterine infections and mastitis on the reproductive indexes of crossbred Gir x Holstein cows in the peripartum
Autor(es): Lourencini, Mariana Paganini
Orientador: Martins, Carla Braga
Palavras-chave: Bovinos
Infecção uterina
Mastite
Bovine
Uterine infection
Mastitis
Data do documento: 20-Abr-2018
Editor: Universidade Federal do Espírito Santo
Resumo: Infecções uterinas e mastite são afecções que possuem em comum a invasão e o crescimento de microrganismos durante o curso da doença, dificultando sua resolução e acarretando em perdas tanto reprodutivas, quanto na produção. Neste estudo objetivou-se verificar a influência de infecções uterinas e mastite nos índices reprodutivos: tempo para involução uterina; retorno à atividade ovariana luteal cíclica (RAOLC); números de inseminações artificiais (IA) e taxa de prenhez em vacas leiteiras primíparas (P) e multíparas (M). Foram utilizadas 55 vacas cruzadas Gir x Holandês de aptidão leiteira em idade reprodutiva, agrupadas de acordo com a categoria em, Primíparas (n=20) e Multíparas (n=35) e distribuídas em quatro grupos quanto ao diagnóstico de afecções como sadias; com infecções uterinas; com mastites; e com as duas afecções concomitantes (infecção uterina e mastite). As fêmeas foram avaliadas com intervalo de 15 dias, a partir de 15 dias após o parto (dpp), até 90 dpp, por meio de exames físico, ginecológico e teste de CMT. Para comparar as diferentes categorias nos diferentes momentos e os grupos de afecções, foram realizados testes de Mann-Whitney e para verificar influência das afecções nos índices reprodutivos foi realizado o cálculo do coeficiente de correlação de Spearman, todos a um nível de significância de 5% (p<0,05). Não houve influência da presença de infecções uterinas e mastites nos índices reprodutivos em vacas multíparas. A presença de mastite e das duas afecções concomitantes atrasou o retorno a atividade ovariana luteal cíclica em vacas primíparas (p= 0,04 e 0,02, respectivamente). Observou-se que 83,54% (46/55) das vacas tiveram RAOLC até 90 dpp. Foram realizadas 20 inseminações em 15 vacas (3 P e 12 M). A taxa de prenhez no estudo foi de 28,3% (13/46). Concluiu-se que a presença de infecções uterinas e mastites não influenciaram nos índices reprodutivos
Uterine infections and mastitis are affections that have in common the invasion and growth of microorganisms during the course of the disease, making it difficult to resolve and leading to both reproductive and production losses. This study proposed to verify the influence of uterine infections and mastitis on the reproductive indexes: time for uterine involution; return to cyclic luteal ovarian activity (RAOLC); numbers of artificial inseminations (AI) and pregnancy rate in primiparous and multiparous dairy cows. Fifty-five crossbred Gir x Holstein dairy cows of reproductive age, grouped according to the category in Primiparous (n = 20) and Multiparous (n = 35) were used and distributed into four groups according to the diagnosis of affections as healthy; with uterine infections; with mastitis; and with the two concomitant affections (uterine infection and mastitis). Females were evaluated at intervals of 15 days, from 15 days postpartum (dpp), to 90 dpp, by means of physical, gynecological and CMT tests. Mann-Whitney tests were performed to compare the different categories at different times and groups of affections, and to verify the influence of affections on the reproductive indexes, the Spearman correlation coefficient was calculated, all at a significance level of 5% (p <0.05). There was no influence of the presence of uterine infections and mastitis in the reproductive indexes in multiparous cows. There was no influence of the presence of uterine infections and mastitis in the reproductive indexes in multiparous cows. The presence of mastitis and the two concomitant conditions delayed the return to cyclic luteal ovarian activity in primiparous cows (p = 0.04 and 0.02, respectively). It was observed that 83.54% (46/55) cows had RAOLC up to 90 dpp. Twenty inseminations were performed on 15 cows (3 P and 12 M). The pregnancy rate in the study was 28.3% (13/46). It was concluded that the presence of uterine infections and mastitis did not influence the reproductive indexes
URI: http://repositorio.ufes.br/handle/10/7813
Aparece nas coleções:PPGCV - Dissertações de Mestrado

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
tese_9940_MARIANA PAGANINI LOURENCINI.pdf648.79 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.